domingo, 28 de fevereiro de 2010

Escrita. Pausa. (ao som de "Good morning heartache, by Billie Holiday)

Música acessível em:

http://www.youtube.com/watch?v=UY--4SXzwkw

Noite de sábado, editor de textos aberto. Luz apagada, abajour aceso. Mate concentrado, chocolate amargo. Dor de cabeça. Mate concentrado, e uma pílula, para a dor de cabeça.

Uma agradável frente fria está de visita na cidade, trazendo uma trégua para os cariocas. A brisa fresca entra pela janela aberta. É bom não precisar do ventilador.

É sábado à noite, estou com dor de cabeça, produzi muita coisa ontem... E já são meia-noite e quarenta e um. Desisto. Por hoje, desisto. Chega. Essa improdutividade em condições climáticas favoráveis me dá a sensação de inutilidade e incapacidade. Não preciso disso, e minha tese não será sabotada por uma pequena pausa... em um sábado à noite.

Para haver música, é necessário haver pausa. Farei uma hoje. Tenho castanhas e pisco.

Salvo o arquivo, e fecho o editor de textos. Ligo a luz, pego as castanhas e o pisco.

Vou publicar este texto, e assistir a um filme no computador. E será um filme bobo.

Boa noite.

3 comentários:

Carlos Teles disse...

Passando aqui para acompanhar as suas novidades e deixar um forte e fraternal abraço!
You'll never walk alone...

PS: entre um "dia triste" e uma "noite improdutiva" rola um choppinho?

Anderson Carmo disse...

"Para haver música, é necessário haver pausa. Farei uma hoje. Tenho castanhas e pisco."

Um abraço, meu caro.

Irapoan disse...

O tempo me anda escasso, Carlos... mas não é um projeto a ser abandonado.

Outro abraço, Anderson!